Cidades que conectam pessoas.

Fonte: Scenario Journal , Foto: Hanna/Olin.

Fonte: Scenario Journal , Foto: Hanna/Olin.

Qual é o segredo das cidades pelas quais adoramos caminhar, e dos espaços públicos que fazem com que pessoas de diferentes idades, gêneros, classes e gostos se encontrem, se vejam e convivam em harmonia?

Em busca pelas respostas, a Conexão Cultural e o Bela Rua foram a Nova York trocar experiências com a Project for Public Spaces (PPS). A resposta que encontramos foi “Placemaking”, termo explicado a seguir com base em artigos da própria PPS.

 

PLACEMAKING

A palavra Placemaking pode ser traduzida para o português como “fazer lugares”. Os “lugares” mencionados aqui são espaços públicos que estimulam interações entre as pessoas em si e entre as pessoas e a cidade, promovendo comunidades mais saudáveis e felizes.

Placemaking é, ao mesmo tempo, um conceito amplo e uma ferramenta prática para melhorar um bairro, uma cidade ou uma região.

 

E SE CONSTRUIRMOS NOSSAS COMUNIDADES EM VOLTA DE LUGARES?

PPS Providence Public Space

Projeto da Project for Public Spaces para a cidade de Providence. Imagem: PPS.

Placemaking é um movimento que repensa os espaços públicos como o coração de toda a comunidade, em toda a cidade. É uma abordagem transformadora que inspira pessoas a criar e desenvolver seus espaços públicos. Placemaking torna mais forte as conexões entre pessoas e os lugares que elas compartilham.

Placemaking é como nós moldamos coletivamente o ambiente público para maximizar valores comuns. Com suas raízes na participação comunitária, o Placemaking abrange o planejamento, o desenho, a gestão e a programação de espaços públicos. Mais do que apenas criar melhores desenhos urbanos para esses espaços, Placemaking facilita a criação de atividades e conexões (culturais, econômicas, sociais, ambientais) que definem um espaço e dão suporte para a sua evolução.

Projeto Quadra Amiga - Vila Mascote/SP. Imagem: Conexão Cultural.

Projeto Quadra Amiga – Vila Mascote/SP. Imagem: Conexão Cultural.

 

É PRECISO DE UM LUGAR PARA CRIAR UMA COMUNIDADE. E DE UMA COMUNIDADE PARA CRIAR UM LUGAR.

Imagem: Project for Public Spaces.

Imagem: Project for Public Spaces.

Um processo bem sucedido de Placemaking cria valor em cima dos ativos da comunidade, das suas inspirações e de seus potenciais, desenvolvendo bons espaços públicos que promovam saúde, felicidade e bem-estar para as pessoas.

O processo de Placemaking da Project for Public Spaces partiu do trabalho com William “Holly” Whyte nos anos 1970 e ainda consiste em olhar, ouvir e fazer perguntas para as pessoas que vivem, trabalham e frequentam um espaço em particular, com o objetivo de descobrir suas necessidades e aspirações. Esta informação é utilizada para criar um visão compartilhada do espaço e pode rapidamente evoluir para uma estratégia de implementação, começando em uma escala pequena – com melhorias fáceis de implementar -, que imediatamente podem trazer benefícios para o espaço e para as pessoas que o utilizam.

Desejo para a praça Oliveira Penteado/SP - projeto (Rua)³, do Bela Rua. Imagem: Bela Rua.

Desejo para a praça Oliveira Penteado/SP – projeto (Rua)³, do Bela Rua. Imagem: Bela Rua.

Para a PPS, Placemaking é tanto um processo quanto uma filosofia. Ele começa quando uma comunidade expressa seus desejos e necessidades sobre seus espaços públicos, mesmo quando ainda não há um plano de ação definido. A vontade de unir pessoas em torno de uma visão mais ampla para um espaço específico acontece há muito tempo, antes mesmo de a palavra “Placemaking” ter sido mencionada pela primeira vez. Mas, uma vez que o termo foi criado, ele possibilita que as pessoas compreendam o quanto sua visão coletiva pode ser inspiradora, e permite que elas vejam de uma nova forma o potencial de seus parques, centros, fontes, praças, bairros, ruas, mercados, campus e prédios públicos. Placemaking provoca uma reavaliação empolgante sobre as experiências do dia a dia.

 

PRINCÍPIOS CHAVE DO PLACEMAKING

A abordagem do Placemaking proporciona às comunidades o meio que elas precisam para se revitalizar. Para começar, a Project for Public Spaces desenhou os 11 Princípios do Placemaking, que foi desenvolvido a partir das suas experiências ao trabalhar em 43 países, 50 estados americanos e 3000 comunidades. Estes são guias que ajudam comunidades a transformar diversas opiniões em uma visão de espaço, para depois traduzir esta visão em um plano e programação de atividades, e finalmente ver o plano implementado.

A visão da comunidade é essencial para o processo de Placemaking, assim como a compreensão do espaço e das formas como ótimos lugares incentivam conexões sociais e iniciativas bem sucedidas. Usando os 11 Princípios e outras ferramentas que a PPS desenvolveu para transformar lugares (como O Poder do 10 e o diagrama do lugar, abaixo), a organização tem ajudado cidadãos a realizar grandes mudanças em suas comunidades.

Produzido por PPS e traduzido por Conexão Cultural e Bela Rua.

Produzido por PPS e traduzido por Conexão Cultural e Bela Rua.

Aprimorar espaços públicos e a vida das pessoas que o utilizam significa ter paciência para dar pequenos passos, para realmente escutar as pessoas e para ver o que funciona melhor, eventualmente transformando a visão de um grupo em um ótimo espaço público.

 

 

PLACEMAKING VIRA UM MOVIMENTO INTERNACIONAL

Cada vez mais comunidades se engajam através do Placemaking e profissionais utilizam o termo para definir seu trabalho. Por isso, é essencial que seu conceito seja preservado. Um ótimo espaço público não pode ser medido apenas por aspectos físicos, ele deve ser um lugar vívido, onde as funções vêm antes da forma. PPS encoraja todos os cidadãos e profissionais a focar nos lugares e nas pessoas que o frequentam.

Através do Placemaking Leadership Council (Conselho de Lideranças em Placemaking), a Project for Public Spaces está trabalhando na criação de uma rede com o objetivo de evoluir o conceito de Placemaking e construir um movimento. Em outubro de 2014, o movimento chegou ao Brasil com a criação do Conselho Brasileiro de Lideranças em Placemaking.

Fred Kent, presidente da Project for Public Spaces, no lançamento do Conselho Brasileiro de Lideranças em Placemaking, em São Paulo. Imagem: Alex Birmann.

Fred Kent, presidente da Project for Public Spaces, no lançamento do Conselho Brasileiro de Lideranças em Placemaking, em São Paulo. Imagem: Alex Birmann.

Em parceria com a UN Habitat e a Ax:son Johnson, PPS criou uma série de conferências chamada Future of Places para dar destaque internacional ao Placemaking, com o foco no desenvolvimento das cidades. A próxima acontecerá em Estocolmo, Suécia, de 29 de junho a 1º de julho de 2015. Mais informações em: http://futureofplaces.com/

 

Texto de: Jeniffer Heemann e Paola Caiuby.

Este trabalho com a PPS é apoiado pelo Edital CONEXÃO CULTURA BRASIL Intercâmbios, da SECRETARIA DE ECONOMIA CRIATIVA (SEC).

minc logo 2015

 

 

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *